domingo, 25 de maio de 2008

E elas ainda têm coragem de falar em machismo...



Já ouviu dizer que um homem promíscuo é ''pegador'' e uma mulher promíscua é ''puta? Pois é...

Muitas mulheres reclamam que, mesmo em dosagem menor, o machismo ainda vigora na sociedade moderna... Talvez não percebam que os homens também vêm sendo vitimados pelo feminismo, e não me refiro apenas ao feminismo ''contra-atacante'' que se desenvolve para impor os espaços das mulheres com relação à qualquer tipo de opressão de origem machista, mas sim ao, em tempo corrigindo, femismo.

Por exemplo, supondo que uma noite ''caliente'' tenha ocorrido entre um homem e uma mulher, nada estranho seria ela no dia seguinte comentando o tamanho do ''dito cujo'' do indivíduo, a performance e os mínimos detalhes da transa com suas amigas às gargalhadas. Caso a fofoca se espalhe um pouco além do esperado, em hipótese de performance negativa, o coitado poderá ficar com fama de brocha(ou rôla de pano), ganhar o apelido de ''pequenino'' entre outras coisas.

Já se o homem, após a transa, a exemplo das próprias mulheres, comentar alguns detalhes do sexo e da mulher com os amigos, será igualmente vitimado caso a história se espalhe, principalmente pelas conclusões femininas. Um cara que fala sobre uma mulher no pós-sexo é integralmente ''queimado'' por um longo período. Quem vai querer sair com um cara que sai contando tudo para os amigos? Se trata de um crianção que quer aparecer... O negócio é arrumar um cara maduro.

Resumindo, nesse caso, elas podem falar o que quiserem e eles, NADA! De fato o machismo já não é o mesmo de outros tempos... Muito pelo contrário, a mesa está sendo virada.

Ahhh, coitados são aqueles que dizem que metade do prazer de ''traçar uma gata'' é contar tudinho para a galera.

sábado, 24 de maio de 2008

O post de apresentação do blog!

Nunca pensei que fosse criar e redigir em um blog... O motivo? Confesso que sou razoavelmente ''fechado'' com novas ferramentas relativas à internet... Quando ainda garoto eu já era apaixonado por tecnologia, sendo um internauta desde o ano de 1998, quando os provedores cobravam o acesso à rede mundial de computadores por hora, ou seja, além de pagar os pulsos telêfonicos sem a mínima colher de chá como existe hoje com os planos que liberam o acesso integral ou banda larga, pagava-se também ao provedor(Uol, Terra...) por hora de uso. Os finais de semana nunca foram tão esperados em minha vida como nesses tempos...

Nessa época ''romântica'' a internet era muito mais limitada, porém especial, eu diria. Não se encontrava uma pessoa do seu bairro na internet como hoje em dia, as salas de bate papo ficavam lotadas, e existiam muitas conversas interestaduais, ou seja, você se abria a conversas com pessoas de outros estados, e a maioria massiva eram seus amigos estritamente ''virtuais''. Caramba... Ainda falam que a tecnologia é completamente globalizadora e descaracteriza fronteiras! Muito pelo contrário... Quanto mais inclusão digital, menos contato com pessoas desconhecidas e de regiões geográficas divergentes às suas. Lembro-me bem que eu achei o máximo quando encontrei o meu primeiro amigo do colégio na internet, eu conversava com ele e imaginava: -como pode, estou falando com uma pessoa que já vi de verdade na internet!

A fantasia também era mais explorada nesses tempos, visto que apenas uns 10% dos internautas possuíam uma Scanner (Esqueça câmera digital por favor, hehe isso não era sequer cogitado) não tendo fotos no computador, fazendo com que o namoro virtual fosse divertido, porém ''perigoso'' pois na melhor das hipóteses o seu cobiçado amante poderia ser um pouco mais feio do que você imaginava, e na pior, ser de um sexo que você não esperava. Nesse caso, podemos comparar a fantasia antiga da internet com a de um livro. Você imagina a aparência dos personagens de acordo com a descrição, (Nas salas de bate papo antigas também existiam a clássica pergunta: -como você é? e a resposta -morena, olhos e cabs cast, 1,72, 68kg, etc) e com a chegada dos filmes os livros tiveram seu brilho um pouco ofuscados... Quantos livros viraram filmes e nos decepcionaram com a aparência dos personagens não sendo nada daquilo que imaginávamos. É mais ou menos o que aconteceu com a digitalização das nossas imagens, acabou a fantasia...

Acabei de me recordar de uma menina mineira chamada Lorraine com quem conversei por muitos sábados e domingos na internet. Posteriormente trocamos cartas (reais, de papel) com fotos para conhecermos a letra e principalmente a imagem um do outro... Isso era muito divertido, era uma ansiedade muito interessante.

Agora me flagro pensando: O que é enviar uma carta hoje em dia? É deixar um scrap no orkut ou uma mensagem offline no msn! As cartas de papel (Aquelas que possuiam um toque especial de personalidade, que no caso de serem românticas talvez uma marca de batom ou uma letra de música) estão cada vez mais raras, quase extintas na realidade.






O que quero dizer com tudo isso, é que eu, por ser dessa ''velha guarda da internet'', a vi engatinhar e me esforcei para me incluir em todos os auges desse ''bebê'', ou seja, de certa forma fiquei parcialmente prepotente como um idoso teimoso que cisma em querer fazer as coisas do seu jeito quando tudo já está diferente. Por exemplo, quando o msn se popularizou, o Messenger instantâneo padrão era o ICQ, e eu demorei muito para me convencer de que o msn era de fato melhor (Ainda hoje tenho lá minhas dúvidas, já que o icq tinha recursos até hoje não inclusos no msn, tal como ''visible list'' que permitia que você incluisse amigos ''VIP'' que podiam lhe ver mesmo quando você estava invisível, ou seja, aparecer offline.) por fim, sendo forçado a migrar visto que já eram 800 amigos na lista do icq e apenas uns 2 online. Era a prova de que a assim como tudo na vida a internet ainda mudaria. Posso mencionar como exemplo também a febre dos fotologs, que surgiram como um furacão. Todos tinham um fotolog, e eu pensava: -Pra que quero um fotolog se posso fazer um site próprio e colocar além de fotos muitas outras coisas!Minha teimosia não durou mais de 6 meses, já que se não fosse flog, ninguém ia entrar e pronto! Com o orkut não foi diferente, foi lançado em 2004, e eu só me inclui em 2005, por achar que era mais uma ''nova bobagem que já ia passar'' e mal procurei me informar do que se tratava: Que graça poderia ter fazer uma lista de amigos sem saber se eles estariam on-line ou não?Eu havia me precipitado...

Resumindo, ao contrário da vida real onde sou completamente mente aberta, disposto a novas experiências e livre de quase todos os tipos de preconceito, no mundo virtual eu era meio fechado a novidades há algum tempo atrás. (Hoje me considero curado, ehhehe)

Agora chegou o momento de não resistir à idéia de fazer um blog, após uns 5 anos que começou a moda que na verdade já até acabou, e... Nossa, desculpe pela grande quantia de palavras desse post, eu esperava apenas umas 5 linhas, então, já dá pra imaginar como o blog vai ser: Muita viagem.

Pretendo escrever sobre variedades, no maior estilo salada doida ou farofada, gasolina com querosene, ou... Como preferir.

Hahahaha mãos na massa e obrigado por ler isso tudo... Se você teve saco! :-D