quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A perda de magia das datas festivas

Senhores!!! Os anos passam cada vez mais rápido, e as datas festivas cada vez possuem menor impacto em todos nós. O que foi que houve com o Coelhinho da páscoa e seus chocolates? Onde estão se enfiando as pessoas fantasiadas no carnaval? Estão todos de bermuda e abadá...? Sim... Afinal de contas.. Carnaval agora é praticamente uma micareta de 4 dias onde mal se pode levar os filhos. As fantasias que caracterizam o carnaval estão praticamente escassas com relação a algum tempo atrás.
E o natal? As músicas natalinas, papais noeis, e arvores de natal já não causam mais o mesmo efeito que causavam há alguns anos, alias, você já montou sua árvore? Muita gente ainda não (Eu por exemplo).
E os pisca piscas? Quantas casas você tem visto enfeitadas, alegrando as noites de calor? Quase NENHUMA? É...
Os fogos no reveillon também parecem menos brilhantes, intensos, e reluzentes do que há algum tempo atrás.
É esse o preço de termos finalmente crescido! E como a maioria de nós aspirou isso: Crescer!!! Mas será que o tempo está passando tão rápido assim? As gerações passadas cansaram de nos dizer que antigamente tudo era melhor, mas agora, creio que não só estejamos presenciando a continuidade da decadência, mas sim a própria morte de coisas que pareciam imortais.
Não bastasse isso, coincidindo com esses fatores cronológicos e de nostalgia, comuns a todos nós, está a revolução tecnológica em ritmo frenético.
Essa revolução que torna tão mais difícil a troca real de carinho, e amor. Ora, antigamente, era necessário dar um abraço e um cartão de Natal pessoalmente em todos os que nos despertavam carinho... Depois passou a se telefonar, e atualmente, a mandar scraps multíplos, e impessoais, (como este aqui, por exemplo) para simbolizar e desejar felicidades no natal.
Nós vivemos de expectativa. Quanto mais queremos que um fato aconteça, mais o tempo demora a passar, e quanto menos queremos, mais rápido chega. Caramba, já tá na hora de trabalhar? Eita... A prova é amanhã?
Pois é...Perder a expectativa que sustentávamos por todas essas datas festivas, faz com que elas também cheguem cada vez mais rápido, e nós, conseqüentemente, envelhecemos mais rápido, não sentimos o tempo passar.
O que estamos reservando para a próxima geração, que está chegando justamente quando Papai Noel, o Coelhinho da Páscoa, e o Bate-Bola estão saindo?
Sim, é um caminho sem volta, e você, sozinho, nada pode fazer para recuperar a magia, pois se você colocar uma fantasia no carnaval, dizem que está calor demais e você é louco, se dá bombons na páscoa... Ficam na geladeira porque chocolate engorda e se você faz ceia e dá lembranças no Natal, dizem que é um bobo caindo em um golpe capitalista friamente injetado na sociedade.
Ah... Que saudades dos tempos em que passávamos calor , comíamos chocolate, e eramos fantoches do capitalismo com muito orgulho.
Mais saudades ainda tenho do tempo em que falávamos: "Poxa... Ainda falta muito tempo para o Natal" e não: "Caramba, já chegou o natal"?.
Já que a desvalorização de momentos é um fenômeno social irreversível, desejo a todos vocês que amem, dêem carinho, e criem momentos de expectativa nas mais variadas situações para tentar fazer com que o tempo passe um pouco mais devagar, pois quem advoga o tempo diz que não podemos lutar contra ele, errôneamente.
A luta contra o tempo nós fazemos com bons momentos no passado, para ter o que relembrar nas horas que passariam rápido por serem vagas, com bons momentos no presente, para evitar essas horas vagas, e com bons momentos para o futuro, para criarmos a expectativa que segura o tempo, já mencionada. E fazer tudo isso depende só de nós mesmos.
Criem, Inspirem, Inovem, Provoquem, Agitem.
Nesse Natal, eu desejo que todos que tornem a vida mais gostosa, pois, sabemos que o tempo irá passar, mas só cabe a nós decidir o quão rápido isso irá ocorrer.
Envelhecer o corpo é inevitável, envelhecer a alma é opção.
E se você está reflexivo porque o passado foi melhor do que o presente lembre-se que o presente é melhor do que o Futuro, então, que tal se aproveitarmos esse momento do qual também sentiremos saudades amanhã?
UM FELIZ NATAL E UM ANO NOVO QUE DEMORE MAIS A PASSAR!
São os meus sinceros votos a todos os amigos!

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Futuro da humaninade: Morte eterna X Vida eterna: Quem ganha essa corrida?

Quantas vezes não nos flagramos refletindo sobre a temida morte?
Ora, pra que fazer tudo o que fazemos se a morte vem para destruir? Qual a finalidade da vida, se a morte a decompõe em tão pouco tempo? Qual é a lógica? Um assunto instigante expressado por poetas, filósofos, e seres humanos em geral, que nunca chegaram em um senso comum sobre o assunto.

Alguns se consolam em religiões, que em geral são otimistas: Há quem acredite em um epílogo da vida, outros em um novo capítulo, e quem sabe até mesmo um livro novo, com uma nova história, mas o fato é que ninguém quer morrer para comprovar a tese que lhe trás o consolo.
Eu particularmente ainda não sei em que tese acreditar, mas não é o que vem após a morte que será abordado aqui.

Se alguns possuem tanto medo de morrer, outros vêem na morte um convite para a inconsequência e falta de responsabilidade: Afinal, pra que viver com regras e limite se a morte é irredutível? O problema é que essa ''fominha'' por viver tudo de uma vez, e curtir ao extremo, pode trazer o fim da vida ainda antes do que o esperado... Que trágico é quando se acaba reduzido o que já é curto, mas também não abordarei profundamente a morte no aspecto comportamental, ou de custo-benefício.

O fato é que estou enchendo linguiça, fazendo uma introduçãozinha pra dar uma dramatizada, mas quero falar da vida e da morte de forma que elas se intensifiquem mais do que nunca: Se trata de vida eterna, e morte em massa.

A evolução da tecnologia me faz ter a certeza de que em um futuro próximo, evitar a morte, e até mesmo, ressuscitar os que se foram, será possível. O corpo logo será algo infalível e os problemas de saúde extintos. E alguém duvida que a fórmula da juventude logo seja uma realidade? Em breve será possível fazer um idoso regredir biologicamente e voltar a ser criança!
Utopia? Compare a tecnologia e ciência de 100 anos atrás: Você acha que os viventes daquela época poderiam em sua mais louca manhã inspirada imaginar que hoje o mundo estaria no ponto tecnológico em que está: Clonagem, Transplante de orgãos, Internet, e afins?

Junto ao benefício da imortalidade temos diversos empecilhos básicos, tais como a falta de espaço no mundo para tanta gente que vai nascer, e tanta gente que vai deixar de morrer, e ainda os que vão ressuscitar (Soa estranho né?) mas tudo isso pode ser solucionado diante da mesma evolução tecnológica. O Problema maior não é esse, e sim, a própria tecnologia, que pode também ''virar a casaca'', como já virou várias vezes, e passar para o lado da morte antes de entrar para o lado da vida:
A evolução humana não trás apenas benefícios: O homem não é só construtivo, é destrutivo também! Se a imortalidade está próxima, o mesmo podemos dizer sobre o fim dos tempos, a extinção da raça humana. E se o homem resolver se auto-destruir levando consigo todo o mundo? Há décadas atrás já existia tecnologia suficiente para se produzir uma bomba atômica com o poder de destruir cidades inteiras, como foi tristemente provado nos estágios finais da Segunda Guerra Mundial. O que dizer então da nossa contemporaneidade? É totalmente dedutível que existam hoje armamentos que possam destruir toda a humanidade, sendo assim, uma questão de sorte estarmos vivos. A cada dia que passa, temos menos controle sobre nossas próprias vidas. Pode estourar uma guerra com proporções inimágináveis, ou pode algum detentor de tal poder entrar em ''depressão'' e querer suicidar-se em grande estilo, levando consigo toda a humanidade.
A questão do fim do mundo repentino é apenas uma das hipóteses, mas é a que eu mais acredito, por achar que as outras a longo prazo, como por exemplo, água (Seja por excesso ou falta) podem ser mais facilmente solucionadas pela mesma tecnologia incansavelmente aqui mencionada.

Se essa humanidade, e toda a sua evolução construída ao longo de milhões de anos, geração após geração, incluindo a fórmula da imortalidade forem destruídas repentinamente, não irá adiantar muita coisa se ter tido conhecimento de fantásticas soluções científicas para a morte, e aí sim, a vida, terá sido totalmente inútil.

O problema todo é que, se porventura, o fim dos tempos vier antes da possibilidade de se viver eternamente, a humanidade estará naturalmente impedida de evoluir rumo á imortalidade, mas se a ''vida eterna'' vier antes do ''Fim dos tempos'' a humanidade poderá continuar evoluindo rumo ao fim do mundo.

Talvez a pergunta que não quer calar daqui a algum tempo deixe de ser: ''Por quê viver se vou morrer'' e passe a ser ''Por quê destruir um castelo de areia é absurdamente mais fácil do que construí-lo?''

Em resumo pra quem ficou meio confuso com o texto, ou achou meio sem lógica:
Daqui a pouco tempo seremos todos imortais, mas se algum filho da p%#@ acabar com o mundo, não vai adiantar mais p#*@% nenhuma a tecnologia ter descoberto a fórmula da imortalidade: Que m%$#* de dilema, heim?

E você, acha que vem o que primeiro: A imortalidade ou o fim do mundo?